Serendipity

The laws of chance, strange as it seems,
Take us exactly where we most likely need to be
[David Byrne]

quinta-feira, 31 de março de 2005

"As notícias da minha morte foram largamente exageradas"

Um tipo está no restaurante chinês, onde assiste calmamente ao pessoal todo a cantar Neil Diamond no Karaoke, e resolve dizer que o George Michael é «foleiro».

Control freak

Também eu. No meu caso, o exercício pseudo-profissional das funções de co-piloto é apenas uma das manifestações, da qual a meg tem sido uma vítima recente. Pedir indicações? Nunca, jamais, em nenhuma circunstância.

O meu problema é acreditar que tudo o que seja eu a fazer fica melhor e a forma como eu o faço é a melhor. Porque ninguém se dá ao trabalho, fazem tudo com os pés. E é tramado quando estamos sujeitos a que nos comparem ao pai do Calvin.

Image hosted by Photobucket.com

quarta-feira, 30 de março de 2005

Os meus contos infantis favoritos 1

É uma das sete histórias deste livro e chama-se "La sorcière du placard aux balais".

A imaginação delirante do Pierre Gripari cozinhou uma trama genial com uma ladainha proibida, um notário malvado, o Senhor Pedro, uma bruxa, três pedidos impossiveis, dois peixes mágicos e um rato tradutor.

Aguardo ansiosamente que alguém se lembre de publicar este livro em português para o poder oferecer ao meu filho, aos piris e à nossa M.

Papel

Image hosted by Photobucket.com

Incomoda-me a quantidade de papel impresso que vai para o lixo sem que ninguém lhe ponha sequer a vista em cima. As contas e extractos mensais, as revistas do Corte Inglês, as cartas da Ordem, o Expresso.

Como matar um blog

No intervalo de um mês. De forma lenta e dolorosa.

This one goes out

Para o rapaz ali ao fundo, atrás da coluna. Como ele tem um problema de audição – é surdo, tecnicamente falando – fica a legendagem parcial e tendenciosa.

ta rara, ta rara, ta rararara, ta rara, ta ra ta ta; ta rara, ta rara, ta rararara, ta rara, ta ra ta ta, ta rara, I was mixed up when you came to me, too broke to fix… …my heart was broken, I was not open to your suggestions… …you just kissed away… …the day you walked in and changed my life… …I think it's amazing… …ta rara, ta rara, ta rararara, I think it's amazing, ta rara, ta rara, ta rararara, I think you're amazing, ta rara, ta rara, ta rararara... ...you tried to save me from myself, you said “Darling, kiss as many as you want, my love’s still available and I know you're insatiable” … …we're like victims of the same disease… …I think it's amazing, ta rara, ta rara, ta rararara... ... I think you're amazing, ta rara, ta rara, ta rararara, ta rara, ta ra ta ta...

terça-feira, 29 de março de 2005

The last trumpet

Também gosto muito da Páscoa pela mensagem de renascimento que reforça o nascimento do Natal. Inicialmente era esta a faixa de música que tinha escolhido para fazer referência à quadra mas que não usei na altura por só ter encontrado uma interpretação que não fazia justiça à imponência da mesma e, por isso, optei pelo início da obra.

Entretanto, consegui a interpretação que gosto e costumo ouvir e que dedico especialmente à Karma na sequência do seu lindo e sentido post.

Image hosted by Photobucket.com

42. Recitative, accompanied (Bass)

Behold, I tell you a mystery: we shall not all sleep, but we shall all be changed in a moment, in the twinkling of an eye, at the last trumpet.

(I Corinthians XV: 51-52)

43. Air (Bass)

The trumpet shall sound, and the dead shall be raised incorruptible, and we shall be changed.

For this corruptible must put on incorruption and this mortal must put on immortality.

(I Corinthians XV: 52-53)

A morte é sem dúvida uma etapa da vida

Gosto mais da Páscoa do que do Natal. Além disso, em Portugal, temos a sorte da Páscoa calhar na Primavera. Na minha cabeça Páscoa e Primavera são sinónimos, mesmo que não haja sol, nem flores, nem passarinhos. A Páscoa e a Primavera são sinónimos porque representam o renascimento da natureza e da vida.

Creio que mesmo para quem não é católico ou cristão, o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo é uma “história” de amor linda. No Sábado, como de costume, fui à missa de Aleluia. A missa de Aleluia é linda, mas aquela a que eu vou na Vidigueira é certamente a mais bonita de todas.

Fui confirmar à minha agenda e contei precisamente cinquenta dias. São exactamente cinquenta dias que mediaram a Segunda-Feira de Carnaval e a Segunda-Feira de Páscoa. Neste período, fui praticamente a cinco funerais. Nalguns casos, tratou-se de familiares (pais) de amigas, noutros foram de pessoas muito próximas e queridas. Todos eles me fizeram repensar a condição humana, o sofrimento e no mistério da morte.

Ontem quando entrei no IPO e vi a minha querida amiga, tive a certeza que a vida não acaba aqui, que o nosso corpo não vale nada e que todos temos uma alma que segue o seu caminho. Esse caminho é aquele que cada um quiser, consoante aquilo em que acredite, nem que seja simplesmente na natureza e na Primavera.

Histeria (cont.)

Sally -I'm gonna be forty.
Harry - When?
Sally - Someday.
Harry - In eight years.
Sally -But it's there. It's just sitting there, like some big dead end. And it's not the same for men. Charlie Chaplin had kids when he was 73.
Harry - Yeah, but he was too old to pick them up.
[de «When Harry Met Sally», Rob Reiner, 1989]

Histeria

Ontem detectei dois cabelos brancos. Não os arranquei para não precipitar a menopausa. Toda a gente sabe isso.

Alerta: a Rita vai de férias para a semana

Fez as reservas e, de imediato, ocorreu um sismo na Indonésia de 8,7 na escala de Richter [ler aqui]. O problema já foi identificado, embora ainda não tenha sido encontrada forma de o debelar. Ah, e esta aposta era uma brincadeirinha, ok?

As máximas do Tambor

Image hosted by Photobucket.com

-Tambor?

-Sim, Mamã.

-O que é que o teu pai te disse hoje de manhã?

-Se não sabes dizer uma coisa simpática então não digas nada...

in, Bambi, Walt Disney

Terror na auto-estrada

Não me refiro ao filme mas ao que sucedeu neste fim-de-semana da Páscoa nas auto-estradas portuguesas, pelo menos naquelas em que andei (A2 e A8) em dias diferentes e a horas diferentes. Durante esses dias os avisos electrónicos existentes nas auto-estradas onde normalmente se lêem mensagens como: "trânsito lento, circule com precaução", "piso molhado, circule com cuidado", ignoravam por completo o trânsito, que era muito, e o tempo, que esteve mau.

É que era muito mais importante avisar (em todos eles):

"NOVO CÓDIGO DA ESTRADA EM VIGOR A 26 DE MARÇO".

E, já agora, fazer sair notícias como: "a polícia tem autorização para o aplicar já na sexta-feira" (dia 25) e no pós fim-de-semana "foram passadas mais de 400 multas".

segunda-feira, 28 de março de 2005

Judah Ben-Hur

Image hosted by Photobucket.com

"-Não, não vou ver este filme, é horrivelmente impressionante ... não me lembro nada da história; ah, ele depois vai para ...: e as irmãs ficam ...; e aquele é ..."

E, assim, fiquei acordada até às duas e tal da manhã a ver este épico do cinema que, apesar dos efeitos especiais serem do tempo em que o George Lucas andava de fraldas (como alguém fez notar), tem imagens e uma história muito poderosas. É, por isso, que acho que faço por esquecê-lo de ano para ano. O que sempre me lembro é da primeira vez que o vi no antigo cinema monumental, e de que quando saí já era de noite ...

O primeiro blog com serviço ao domicílio

Telefonamos a fregueses especiais para que não percam a selecção musical do dia.

ps – obrigada

Júlio Machado Vaz tem um blog. JMV teve, há muitos anos, um programa de rádio chamado «Sexo dos Anjos». O programa passava na TSF aos domingos à noite. Eu tinha 17 anos e ouvia. JMV e o programa «Sexo dos Anjos» intervieram directamente na minha vida; determinaram e precipitaram o curso dos acontecimentos da melhor forma possível.

O livro com o mesmo nome, que se seguiu ao programa, foi outro marco importante. Com base nele trocámos muitas notas; muitos bilhetinhos com comentários pessoais e a devida referência à frase que os suscitava, indicando a página. Não fizemos apontamentos no próprio livro antevendo que seria lido por terceiros.

Nessa altura e durante vários meses, acarinhei o “projecto” de escrever a JMV – à mão, uma carta a sério, como ainda se usava – contando-lhe, com todo o detalhe, este “feliz acaso” da sua interferência radiofónica. À noite, antes de adormecer, compunha mentalmente os longos parágrafos da carta interminável (até porque todos os dias me lembrava de, ou acontecia, mais alguma coisa para contar).

Nunca cheguei a escrevê-la. Segue agora sob a forma de post e com o tamanho do que seria um mero post scriptum na sua versão original.

O direito a não ter certezas

Image hosted by Photobucket.com

Eu também não sei. É como diz João Miguel Tavares: "Quem tem razão? Muito sinceramente, não sei. Não sei. Parece-me tão indigno prolongar indefinidamente a vida de uma mulher que nunca recuperará a consciência como deixá-la morrer de fome e de sede".

Vida de mãe - episódio 14 (cont.)

A experiência do cinema foi um êxito surpreendente. O meu filho estava excitadíssimo, de olhos esbugalhados e boca aberta a olhar para o ecrã.

Não teve medo da escuridão, adorou a história e nem sequer pediu pipocas apesar de ter visto quase todos os miúdos agarrados aos baldes de milho com açucar.

E quando acabou, levantou-se da cadeira mas não saiu da sala porque quis ficar a dançar a música do genérico.

[Aproveito para informar que a quinta pedagógica só abre às 11h00.]

domingo, 27 de março de 2005

Luck is a lady

Numa máquina muito esquisita, aparentando ter sido viciada (assunto debatido com seriedade entre os circunstantes), e que não deu nada aos cerca de dez candidatos que me antecederam, cada um munido de várias fichas, ganhei TRÊS bilhetes para o concerto do Jamie Cullum, no próximo dia 23 de Abril. Não foi a mim que a sorte sorriu desta forma tão expressiva. Foi a pensar noutra pessoa. De qualquer forma, soube-me bem que tenha brilhado por meu intermédio.

O Messias de Handel

Image hosted by Photobucket.com

Mesmo no fim da Páscoa não queria deixar de partilhar o ínicio desta divinal, em todos os sentidos, peça musical de Handel que é o Messias.

sábado, 26 de março de 2005

Devo ser muito esperta noutras coisas

"I hate to tell you, but that whole "I don't want to ruin the friendship" excuse is a racket. It works so well because it seems so wise. Sex could mess up a friendship. Unfortunately, in the entire history of mankind, that excuse has never ever been used by someone who actually means it. If we're really excited about someone, we can't stop ourselves - we want more. If we're friends with someone and attracted to them, we're going to want to take it further. And please, don't tell me he's just "scared". The only thing he's scared of - and I say this with a lot of love - is how not attracted to you he is."

[excerto do livro "He's Just Not That Into You: The No-excuses Truth To Understand Guys" de Greg Behrendt.]

He’s just not that into you: o livro

He's Just Not That Into You — based on a popular episode of Sex and the City — educates otherwise smart women on how to tell when a guy just doesn't like them enough, so they can stop wasting time making excuses for a dead-end relationship.

Oh sure, they say they're busy. They say that they didn't have even a moment in their insanely busy day to pick up the phone. It was just that crazy. All lies. With the advent of cell phones and speed dialing, it is almost impossible not to call you. Sometimes I call people from my pants pocket when I don't even mean to. If I were into you, you would be the bright spot in my horribly busy day. Which would be a day that I would never be too busy to call you.

For ages, women have come together over coffee, cocktails or late-night phone chats to analyze the puzzling behavior of men.

He's afraid to get hurt again.
Maybe he doesn't want to ruin the friendship.
Maybe he's intimidated by me.
He just got out of a relationship.

He's Just Not That Into You is provocative, hilarious and, above all, intoxicatingly liberating. It deserves a place on every woman's night table. It knows you're a beautiful, smart, funny woman who deserves better. The next time you feel the need to start "figuring him out," consider the glorious thought that maybe he's just not that into you. And then set yourself loose to go find the one who is.

[daqui por ter seguido a preciosa pista da mãe da meg]

sexta-feira, 25 de março de 2005

Denial

Digo? Não digo? Digo.

Estava para aqui a enfardar as amêndoas da Karma e a ouvir música nos blogs – aos bochechos por culpa da telepac – quando me deparei com o True Lies; o novo blog de quem, depois de muito esforço, vários exemplos e alguns desenhos, me conseguiu explicar o que quer dizer “com a verdade me enganas”.

He’s just not that into you (repeat ‘till fade)

A amiga aconselha-a a não pensar nas piores coisas. Os telemóveis descarregam-se. Esquecem-se nos bolsos. Desligam-se nos cinemas.*

Eu aproveitei casos recentes para lhe lembrar que há até quem deixe cair o telemóvel na sanita ou na banheira. Mas I have to say that’s all code for “he’s not that into you”.

[*Inês Pedrosa, Expresso, 25 de Março, onde transcreve este post. Os sms são os sms e não as sms, está bem?]

quinta-feira, 24 de março de 2005

Vida de mãe - episódio 14

Image hosted by Photobucket.com

Programa infantil para um feriado em Lisboa:

09:00 Desenhos animados na caminha da mãe

10:00 Pequeno almoço

10:30 Quinta pedagógica dos Olivais

13:00 Almoço

14:00 Sesta

16:00 Cinema: Heffalump - O Novo filme do Winnie the Pooh.

17:30 Lanche + Ovo Kinder

19:00 Banho com piscina de brinquedos

20:00 Jantar

21:00 História

21:10 Cama

Pub

Baby, the stars shine bright.

Image hosted by Photobucket.com

Image hosted by Photobucket.com

Reserve já.

On a brighter note

Este ano tem 321 dias se descontarmos o intervalo do panamá. Três, dois, um. Três no cabeçalho, dois de quórum contemporâneo máximo e raro, um Fora do Mundo. Parabéns.

Isto é o fim

Para O País Relativo, o fim tal como interpretado pelos Doors. Prometemos retomar a emissão normal antes que a depressão se instale.
This is the end
Beautiful friend
This is the end
My only friend, the end
Of our elaborate plans, the end
Of everything that stands, the end
No safety or surprise, the end
I'll never look into your eyes again
Can you picture what will be
So limitless and free
Desperately in need of some stranger's hand
In a desperate land
[...depois começa a desconversar]

quarta-feira, 23 de março de 2005

Serenata

Image hosted by Photobucket.com

terça-feira, 22 de março de 2005

A nossa festa

Image hosted by Photobucket.com

Foi um sucesso retumbante. A Sam foi eleita a convidada mais elegante da noite e a Inês a mais atrasada mas também a mais oportuna (trouxe o pacote de leite que fez toda a diferença). O evento durou até perto das quatro da manhã.

segunda-feira, 21 de março de 2005

What if I drown in this sea of devotion?

Image hosted by Photobucket.comImage hosted by Photobucket.comImage hosted by Photobucket.comImage hosted by Photobucket.com

Tive aulas de dança no liceu e interpretei umas coreografias em festas escolares. Hoje em dia a dança não é coisa que me entusiasme por aí além. Excepto quando vejo este teledisco*. Esta coreografia, e a forma como é dançada, é das melhores manifestações de liberdade de movimentos e de aprazível expressão corporal. Gostava de a aprender.

*vocábulo em voga nos anos oitenta do século passado que designava viedoclip.

domingo, 20 de março de 2005

Pub

Não adie mais a marcação da consulta que irá mudar a sua vida e obtenha o aconselhamento filosófico que lhe tem faltado. Na Av. da Liberdade, nº 202, em Lisboa.

Image hosted by Photobucket.com

sábado, 19 de março de 2005

Necessidade

Nenhuma necessidade deve ficar por satisfazer.

Atenção, não se enganem: o chocolate não é uma necessidade mas o seu reflexo.

Parabéns, parabéns, parabéns.

Image hosted by Photobucket.com

Hoje fazem anos 3 pessoas de família muito especiais, duas delas são gémeas e completam 85 anos!

E, há festa.

O/este bolo fui eu que fiz.

Dia do Pai

Parabéns a todos os pais!

O piri I fez, na escola, uma prenda linda para o pai, incluindo papel de embrulho, cartão e desenho.

Também quero...

sexta-feira, 18 de março de 2005

Momentos de prazer

Segurar o meu bébé ao colo com a sua cabeça encaixada na dobra do meu cotovelo e o corpo colado ao meu e, enquanto o embalo e murmuro uma canção; apreciar e seu olhar tranquilo fixado no meu; sentir o seu corpo a ficar abandonado; ver as suas pálpebras hesitantes a fecharem-se muito lentamente; e, por fim, sentir o ligeiro estremecer daquele suspiro que confirma o soninho.

Missão cumprida.

Boa noite.

Music by Huma

A partir de hoje, e à experiência, serei responsável por um dos canais de música do blog.

E, para começar, nada melhor e mais a propósito do que aquilo a que o Piri I ouviu esta tarde na sua estreia a assistir a uma orquestra ao vivo: a divinal 5ª Sinfonia de Beethoven.

Jornal Bimby - Notícia de última hora

Alguém, leia-se uma candidata a Bimba (cuja identidade não posso revelar a pedido da própria), acaba de partir uma peça aquando da utilização de uma bimby alheia.

Wondering about "Cole Thomas"

Image hosted by Photobucket.com Thomas Cole, The Voyage of Life: Childhood, 1842

National Gallery of Art Brief Guide:

"Cole's renowned four-part series traces the journey of an archetypal hero along the "River of Life." Confidently assuming control of his destiny and oblivious to the dangers that await him, the voyager boldly strives to reach an aerial castle, emblematic of the daydreams of "Youth" and its aspirations for glory and fame. As the traveler approaches his goal, the ever-more-turbulent stream deviates from its course and relentlessly carries him toward the next picture in the series, where nature's fury, evil demons, and self-doubt will threaten his very existence. Only prayer, Cole suggests, can save the voyager from a dark and tragic fate.

From the innocence of childhood, to the flush of youthful overconfidence, through the trials and tribulations of middle age, to the hero's triumphant salvation, The Voyage of Life seems intrinsically linked to the Christian doctrine of death and resurrection. Cole's intrepid voyager also may be read as a personification of America, itself at an adolescent stage of development. The artist may have been issuing a dire warning to those caught up in the feverish quest for Manifest Destiny: that unbridled westward expansion and industrialization would have tragic consequences for both man and nature."

I wish you all the best on the very beginning of your voyage.

Cole Thomas

Cole Thomas Bacigalupi was born on the 16th. We have one more friend on the other side of the world.

Direito de voto desde o berço

O direito de voto desde o berço é defendido por alguns no caso de países que ignoram a importância de uma política de fomento e apoio à família, v.g. o nosso, como forma de obrigar os partidos a incluir a família nas suas prioridades políticas.

Eu cá concordo, e seria com todo o gosto e responsabilidade que passaria a fazer mais três cruzinhas de quatro em quatro anos e sempre que fosse preciso.

Entrevista de rua

- E o que tem a dizer sobre a situação?

- Portanto, eu acho que ele devia sair de lá, não é? Era o melhor para ele. Quer dizer, aquilo qualquer um vê que é uma pessoa com grande potencial que está ali a marcar passo. Era arranjarem-lhe, prontos, uma casinha só para ele desenvolver aquelas ideias e não estar sempre a ser esquecido só porque os outros escrevem demais. Porque quantidade não é qualidade - quantidade não é qualidade, tá a perceber? - e eu acho mal, não é, que as pessoas não prestem atenção às coisas e não vejam o que é que se está ali a passar, não é? Por exemplo, aquele rapaz, o outro, sempre tão ufano. Esse nunca mais apareceu. É que nunca mais apareceu, homem! Portanto, é como eu estou a dizer. O outro sabe que não tem estatura para aquilo. Quer dizer, não está à altura. Sabe e claro que não quer entrar agora em comparações, não é? O que é que pode fazer? Nada! Rigorosamente nada. Como é que o outro espertinho ia agora arrebentar com os textos dele? Impossível. É que os textos dele vê-se bem que são produtos literários que não se lhes pode apontar isto. Ele vai longe mas é uma pena não ter já ido.

quinta-feira, 17 de março de 2005

He’s just not that into you

Continuação:

Elaine - Listen, lemme ask you something. When you're with a guy, and he tells you he has to get up early, what does that mean?
Jerry - It means he's lying.
Elaine - Wow...
Jerry - Why? Is that what he told you?
Elaine - Yeah, last night. Oh, come on... Men have to get up early some time...
Jerry - No. Never.
Elaine - Jerry! I'm sure I've seen men on the street early in the morning.
Jerry - Well, sometimes we do actually have to get up early, but a man will always trade sleep for sex.
Elaine - Is it possible I'm not as attractive as I think I am?
Jerry - Anything's possible...
[copiado daqui]

Luciano Amaral 0 - Pedro Mexia 1

Escrevem hoje os dois no DN sobre o mesmo tema. No entanto, abordam-no de maneira bem diferente. A visão do primeiro irritou-me exactamente pelos argumentos apontados pelo segundo.

[Parece falta de isenção mas não é. Só não fiz o link para o texto do Luciano Amaral "O espectador comprometido" porque aparentemente não está disponível na edição on line do DN.]

Discos pedidos

Após exaustiva investigação, descobrimos que o pc da mana tem som, bastando-lhe regular o respectivo volume para ouvir a música [bravo, clap clap clap]. Para a minha irmã e porque pediu, apesar de não ter preenchido o requerimento modelo 3A que temos à disposição: a Carly Simon com esse tema lendário «ó meu ganda peneirento».

quarta-feira, 16 de março de 2005

They lie. I lie.

Esta é a minha grande estratégia.

Image hosted by Photobucket.com

Engate

Estratégia nº 1 – Parada de galanteios. O elogio gratuito, exagerado e despropositado que ao fim de duas frases deixa de ser credível. Como, apesar dos pesares, não acredito que esteja a gozar com a minha cara, fica só o meu embaraço perante quem trás as suas intenções escritas na testa mas está convencido que não se nota.

Estratégia nº 2 – Vitimização. Descrição detalhada do cenário negro e desértico em que se tem traduzido a sua vida afectiva. A falta de tempo, as preocupações, a crueldade, vacuidade ou frieza femininas. Estou convencida que este teatro se destina essencialmente a friccionar o instinto maternal.

Estratégia nº 3 – Sinceridade. Desconstrução das estratégias nº 1 e nº 2. Sei que não irias em cantigas; és inteligente (pisca o olho à estratégia nº 1) e não faz o meu género apelar à compaixão (chamada de rodapé à estratégia nº 2), mas a verdade é que estou muito interessado em “conhecer-te melhor”.

A minha sugestão é só esta: cinjam-se a uma única estratégia por batalha. Nada é mais contraproducente do que a experimentação dos diferentes argumentos, com a mesma pessoa ao longo da mesma noite, num modelo de “tentativa e erro”.

A mãe telefonou

Para dizer que nos descobriu em quatro horas. Perdemos intimidade mas ganhámos uma leitora.

O pai telefonou

Então, não tens escrito no blog. [último post a 4 de Março] E viste que criei outro? [já tem três] E aquilo sobre a mini-maratona, leste? Pus umas fotos, não viste?

Bom, quando é que passas por cá? [ah!]

terça-feira, 15 de março de 2005

De misguided angel a little Hitler

Enganaste-te. Confundiste mero autoritarismo com confiança; tomaste simples intolerância e irascibilidade congénitas por firmeza e perseverança. Agora é constrangedor teres de reconhecer a cobardia e a inconsistência. Quem é que te manda entrar em idealizações?

Reclamação

Perdoem-me a franqueza (para não dizer mesmo a ousadia) mas que raio de serviço é este em que, não só a suposta preview do post não corresponde, mas também não é intuitiva a forma de fazer parágrafos. Biiiilllllll, where are you?

Wishing Well

Someone once said:
"I have all I have ever wished for.
But I wished for all the wrong things."

segunda-feira, 14 de março de 2005

Discos pedidos

Começamos hoje a aceitar pôr aqui a tocar músicas da preferência dos nossos ouvintes. Isto seguindo um rigoroso critério discricionário e aleatório. A Ritinha - minha room mate vai para três anos que diz não ter blog (pois) – escolheu The Smiths, «Death of a Disco Dancer». Dependendo da disposição em que nos encontramos, este até consegue ser um espaço aberto a outros gostos. [também é só uma questão de não carregar no play.]

Sorte

Image hosted by Photobucket.com

Existir alguém que de vez em quando nos fala, nos toca, nos faz sentir bem.

Shakespeare de cor

Tomorrow, and tomorrow, and tomorrow,
Creeps in this petty pace from day to day,
To the last moment of recorded time;
And all our memories have lighted fools
The way to dusty death. Out, out, brief candle!
Life is but a walking shadow; a poor player,
That struts and frets his hour upon the stage,
And then is heard no more: it is a tale
Told by an idiot, full of sound and fury,
Signifying nothing.
in Macbeth, Shakespeare

Um governo 100% feminino

Foi o que a Ana Sá Lopes e o Mário Mesquita fizeram no Público de Domingo e o resultado não é nada mau, não senhora.

sexta-feira, 11 de março de 2005

Let’s play ball

Isto há-de progredir. Nem que tenha de ser a bola a dar o pontapé de saída.

Image hosted by Photobucket.com

Acompanhamento durante o parto - a doula

Recentemente uma amiga minha teve um bébé no HCVP. O parto foi óptimo, especialmente para primeiro (chegou ao hospital às 11 da noite, levou epidural e a criança nasceu às 5 da manhã), mas existiram alguns aspectos incómodos e muito pouco dignificantes: passadas duas horas de ter levado a epidural as dores voltaram e então esteve meia hora a chamar a enfermeira; foi chamada "maricas" por se estar a queixar e comparada com outras duas parturientes que estando supostamente na mesma situação não se queixavam; foram-lhe administrados analgésicos extra (perfeitamente desnecessários quando se está com epidural e que passam para o bébé) que a deixaram drogada - só após muita insistência sua é que o anestesista se dignou verificar o que realmente se passava e constatou que o catéter tinha saído do sítio e portanto não estava a receber a epidural; viu ignorados os seus pedidos de chamamento do marido para assistir ao parto, marido esse que tinha sido mandado para o quarto dormir, que só foram atendidos quando referiu o "kit" (para recolha do sangue do cordão umbilical no momento imediatamente posterior ao seu corte) e marido esse que não teve oportunidade de prestar o acompanhamento desejado pois quando chegou o bébé já estava a sair.

Tudo isto para dizer que nada disto poderia ter acontecido caso a parturiente estivesse acompanhada de alguém qualificado para o efeito: uma doula. Trata-se de uma pessoa experiente e informada que acompanha a parturiente durante a gravidez, parto e pós-parto ajudando-a a ter um parto consciente e feliz.

Por muito boa vontade que o marido ou outrem demonstrem no acompanhamento da futura mãe, não são pessoas qualificadas e/ou são parte interessada, encontrando-se assim muito limitados.

Acredito que as doulas, que agora já existem em Portugal, são uma enorme mais-valia nesse processo essencial e difícil que envolve o nascimento de um bébé e de uma mãe, primeira ou reincidente.

Para quem quiser saber mais pode consultar o blog.

Autoridade

Hoje, perante a tentativa do meu pai de interferir na saúde do meu filho mais velho, tive de levantar a voz e dizer "quem manda aqui sou eu". Foi duro mas correu bem.

3 Meses de gente

Hoje o meu bébé faz 3 meses, que bom!

"Finding the essentials"

"In our effort to move away from duties of motherhood that have seemed uncomfortable and sometimes quite unfulfilling, we have left bare and sometimes even torn up the foundation of the family. That foundation is human need. As destructive to family life as some of our flight to motherhood has seemed, we have at least been able to learn from it more about what is and what is not indispensable in family life - in our roles as mothers, fathers, sons, and daughters."

"The family is a grouping of people which is ideally suited to meeting the kinds of needs that human beings have. Families can provide for their own members better that any other social grouping. The family is not, we are learning at last, a gathering of people around a mother who takes care of them all, or around a father who takes care of them all. Families are groups of people who take care of each other."

"Every member of the family, including mother, has certain biological and emotional needs. It is necessary for members of a family to see that these needs are met for every member of the family, for if someone is lacking any of these essentials, life will be difficult for the whole group."

"It is only when the essential needs are being met that we can begin to consider extras like a larger income and interior decoration. It is in our ranking of needs and extras that we have gotten ourselves into trouble. We have turned our backs on our families because of what we have to do to get a new house or car, and to keep those things clean and shiny, and to keep ourselves shaped just so, and to stay in this or that social circle, and so on and on."

"No doubt we can manage quite a number of these things while each of us does our part in seeing that everyone at home is faring well. It is the accumulation of so many "essential" things that does us in. When we turn away from a crying child in order to clean a carpet - or buy a new one - we can be sure that our values are backwards. It should not be surprising how little pleasure there is in the spotless carpet when someone in the house is unhappy. We are learning at last that what we have to do in life is to help each other fulfill our needs. Everything else is extra - fine, but only if we have resources to spare above the human needs around us."

in Mothering Your Nursing Toddler, Norma Jane Burmgarner

A propósito do dia internacional da mulher (8 de Março)

A entrevista à Leonor Beleza na Pública de 06.02.05 é interessantíssima e esclarecedora. Não consigo perceber como é que há gente que acha que o tema da discriminação das mulheres na sociedade portuguesa já se encontra resolvido.

[Tenho pena mas não consegui arranjar o texto no site do Público e dada a sua extensão não dá para o reproduzir aqui].

quinta-feira, 10 de março de 2005

You’re so vain, outra vez

Se achas que o post é sobre ti, estás enganado. Sempre que isso te ocorrer, lembra-te: estás enganado. Pensas conhecer os factos que sustentam as minhas palavras, mas estás enganado. Identificas-te com o relato meio cifrado, só que a resposta está na outra metade e - mais uma vez - estás enganado. Não é sobre ti, não é para ti, não tem nada a ver contigo. Nem mesmo este post te diz respeito. E não me venhas perguntar a quem é “dirigido”.

Unbonding

Conhecemo-nos há oito anos e numa coisa ele levou a melhor: “somos amigos”. Não há nada mais difícil do que “acabar com um amigo” – o Seinfeld dedicou um episódio inteiro a este tema. Já tentei. Já cheguei até a pensar que tinha conseguido. Mas não. Ele tem um talento especial para contornar qualquer tipo de confronto, por mais directo e inequívoco que seja, e consegue perpetuar a ligação. Chego à mesma conclusão do Seinfeld, o melhor é conformar-me.

His name is Joel Horneck. He lived like three houses down from me when I grew up. He had a Ping Pong table. We were friends. Should I suffer the rest of my life because I like to play Ping Pong? I was ten. I would've been friends with Stalin if he had a Ping Pong table.. he's so self-involved.

(...)

I have to wait for someone to die. I think that's the only way out of this relationship. It could be a long time.

[daqui]

quarta-feira, 9 de março de 2005

Another chance

A rapariga tem um coração enorme, maior do que ela, e transporta-o exposto pelas ruas da cidade, sorrindo. É um handicap. Vai gerando desconforto e atrapalhação para a própria, e suscitando a desconfiança e a rejeição dos outros. Confrontado com estas reacções, o coração vai diminuindo até ficar do tamanho de uma tolerável caixa de bombons. Ela está triste, encostada a uma parede e já não assusta ninguém com o coração encolhido nas mãos.

Nisto, o rapaz convida-a para um café, fala com ela e leva-a a casa. Ela fica nas escadas do prédio com um ar sonhador, enquanto o dia nasce. O rapaz, depois de virar a esquina, volta para trás. Presume-se que arranjou coragem para mais qualquer coisa que não tinha dito ou feito. Ele espreita pela esquina da rua e vê-a nas escadas do prédio... com o coração novamente enorme. Não, não, assim não, encolhe lá isso! Mas já não há nada a fazer. O rapaz vai-se embora assustado.

Dias mais longos

Image hosted by Photobucket.com

Tenho a impressão de ter saído na primavera antes de chegar à estação. Devo andar com pressa (ou compressa).

terça-feira, 8 de março de 2005

Faz-me falta

O stress que sentia quando procurava desesperadamente um lugar para estacionar o carro.

D-i-v-ó-r-c-i-o

A palavra é detestável mas apresenta uma vantagem incontornável: é que não deixa margem para dúvidas.

O melhor remédio para um corpo com a alma maltratada

Image hosted by Photobucket.com

Uma massagem de aromaterapia no spa do Hotel Ritz em Lisboa.

Redecorar

Image hosted by Photobucket.com

sexta-feira, 4 de março de 2005

Compreensão e respeito

Para com os imbecis.

Pub

O chá do momento: «Jasmine Delight». Aprovado pelas maiores especialistas.

Aliás, esta loja – Rituals – só tem coisas fantásticas.

A verdade da mentira

As maiores verdades são ditas a brincar. Por cobardia ou irresponsabilidade.

O tradicional "estava a brincar" dito logo após um certo tipo de comentário e, principalmente, após uma má reacção do outro, não é mais do que um "estou a dizer a verdade mas não tenho coragem de a assumir". Por um de dois motivos: ou não quero sequer aceitar que penso verdadeiramente assim, ou não consigo encarar a inaceitação da minha verdade por parte do outro.

Surdos

A minha irmã, a meg e o maradona (tudo apagado outra vez, tss tss) não conseguem ouvir as músicas que eu ponho aqui a tocar. Hoje, especialmente para eles e em sinal de protesto, não digo qual foi a escolhida.

quinta-feira, 3 de março de 2005

A Ópera do Malandro

Teria valido a pena se só tivesse servido para conhecer a origem de várias canções que ouço desde sempre. Gostei. Mesmo.

Ainda por cima, a Sam conseguiu escolher os melhores lugares da sala.

Eu até queria muito

Mas não consegui arranjar a tempo um saco-cama para ir comprar um bilhete para o concerto dos U2.

Per te

È per te ogni cosa che c'è, ninna na ninna e...

Parente de quatro patas (3)

Este gato é a última aquisição da minha mãe e o meu preferido.

[E agora, para a Charlotte, o link que faltava. Miau.]

quarta-feira, 2 de março de 2005

É sim senhor

Ah pois é, local adequado, próprio e conveniente para enigmas Octavianos. Eu adoro enigmas Octavianos. Eu desvendo enigmas Octavianos. Não sei é por alma de que Octário (ou será Octávio?) se lhes chamam enigmas Octavianos.

Caros ouvintes

Gerou-se uma febre bowieana. Fica, então, um tema dedicado ao «Homem-Estrela» da foto abaixo. He’d like to come and meet us but he thinks he’d blow our minds – e tem ele muita razão.

A Bimby

Conheci este utensílio culinário quando a Huma o adquiriu há mais de um ano. Na altura, pensei que só ela é que se lembraria de gastar uma pequena fortuna com um gadget para a cozinha.

Mas enganei-me. Um tempo depois, foi a vez da mulher do meu pai e agora até tu, que és homem, já falas em comprar uma!

E todos vocês se referem à dita como se estivessem a falar de uma cozinheira de carne e osso. "E o leite-creme da Bimby, já prováste? É delicioso. E os sumos de fruta? Extraordinários. E a lasanha? Formidável".

[Eu já estou é cheia de fome. Devia ter escrito este post depois do lanche.]

terça-feira, 1 de março de 2005

Os Óscares – boletim noticioso

O homem mais lindo do mundo abraça, convicta e literalmente, embora apenas dentro dos limites dos seus braços, a campanha por beleza real da Dove. Aqui a temos em 2004 e em 2005, tendo nesta última cerimónia optado por ir vestida de sofá. Volumosa ou charmosa?

Música no blog

A pedido da Karma e para festejar o início do novo mês, hoje vamos ouvir «Vida em Março» de David Bowie. [meg: não consegui encontrar a «Vida em Cadburys»]